"Ando no rastro dos poetas, porém descalça... Quero sentir as sensações que eles deixam por ai"



segunda-feira, 31 de outubro de 2016

a bruxa está solta...


“Não gosto da vida em banho-maria, 
gosto de fogo, pimenta, alho, ervas, 
por um triz não sou uma bruxa.”

31 de outubro é o dia das bruxas, e embora esta cultura não nos pertença, o tema  tem raízes bem interessantes.

De acordo com pesquisas, a relação da comemoração desta data com as bruxas, propriamente ditas, teria começado na Idade Média, com o intuito de condenar os homens ou mulheres que fossem considerados curandeiros e/ou pagãos.

Na “versão pagã”, tem a ver com a celebração celta chamada Samhain, que tinha como objetivo dar culto aos mortos. 
Para os celtas, o lugar dos mortos era um lugar de felicidade perfeita, onde não haveria fome nem dor.

Dizia-se também que os espíritos dos mortos voltavam, nessa data, para visitar seus antigos lares e guiar os seus familiares, rumo ao outro mundo.

Essa designação se perpetuou e a comemoração do Halloween, levada até aos Estados Unidos, pelos emigrantes irlandeses (povo de etnia e cultura celta) no século XIX, ficou assim conhecida como “dia das bruxas”, uma lenda histórica.

domingo, 30 de outubro de 2016


Vamos esclarecer alguns pontos sobre mães, ok? Desconstruir alguns mitos.
Não, não precisa se preocupar. Não é nada ofensivo, eu também sou mãe...
Vamos lá:

Mãe é mãe: mentira
Mãe foi mãe, mas já faz um tempão!
Agora mãe é um monte de coisas: é atleta, atriz, é superstar.
Mãe agora é pediatra, psicóloga, motorista. Também é cozinheira e lavadeira.
Pode ser política, até ditadora, não tem outro jeito.
Mãe às vezes também é pai.
Sustenta a casa, toma conta de tudo, está jogando um bolão.
Mãe pode ser irmã: empresta roupa, vai a shows de rock pra desespero de algumas filhas, entra na briga por um namorado.
Mãe é avó (oba, esse é o meu departamento!): moderníssima, antenadíssima, não fica mais em cadeira de balanço, se quiser também namora, trabalha, adora dançar.
Mãe pode ser destaque de escola de samba, guarda de trânsito, campeã de aeróbica, mergulhadora.
Só não é santa, a não ser que você acredite em milagres.
Mãe já foi mãe, agora é mãe também.

Mãe é uma só: mentira
Sabe por quê?
Claro que sabe!
Toda criança tem uma avó que participa, dá colo, está lá quando é preciso.
De certa forma, tem duas mães.
Tem aquela moça, a babá, que mima, brinca, cuida.
Uma mãe de reserva, que fica no banco, mas tem seus dias de titular.
E outras mulheres que prestam uma ajuda valiosa.
Uma médica que salva uma vida, uma fisioterapeuta que corrige uma deficiência, uma advogada que liberta um inocente, todas são um pouco mães.
Até a maga do feminismo, Camille Paglia, que só conheceu instinto maternal por fotografia, admitiu uma vez que lecionar não deixa de ser uma forma de exercer a maternidade.
O certo então, seria dizer: mãe, todos têm pelo menos uma.

Ser mãe é padecer no paraíso: mentira
Que paraíso, cara-pálida?
Paraíso é o Taiti, paraíso é a Grécia, é Bora-Bora, onde crianças não entram.
Cara, estamos falando da vida real, que é ótima muitas vezes, e aborrecida outras tantas, vamos combinar.
Quanto a padecer, é bobagem.
Tem coisas muito piores do que acordar de madrugada no inverno pra amamentar o bebê, trocar a fralda e fazer arrotar.
Por exemplo?
Ficar de madrugada esperando o filho ou filha adolescente voltar da festa na casa de um amigo que você nunca ouviu falar, num sítio que você não tem a mínima idéia de onde fica.
Aí a barra é pesada, pode crer...

Maternidade é a missão de toda mulher: mentira
Maternidade não é serviço militar obrigatório!
Deus nos deu um útero mas o diabo nos deu poder de escolha.
Como já disse o Vinicius: filhos, melhor não tê-los, mas se não tê-los, como sabê-los?
Vinicius era homem e tinha as mesmas dúvidas.
Não tê-los não é o problema, o problema é descartar essa experiência.
Como eu preferi não deixar nada pendente pra próxima encarnação, vivi e estou vivendo tudo o que eu acho que vale a pena nesta vida mesmo, que é pequena mas tem bastante espaço.
Mas acredito piamente que uma mulher pode perfeitamente ser feliz sem filhos, assim como uma mãe padrão, dessas que têm umas seis crianças na barra da saia, pode ser feliz sem nunca ter conhecido Paris, sem nunca ter mergulhado no Caribe, sem nunca ter lido um poema de Fernando Pessoa.
É difícil, mas acontece.

Mamãe, eu quero: verdade

Você pode não querer ser uma, mas não conheço ninguém que não queira a sua.




O rico domina sobre o pobre; quem toma emprestado é escravo de quem empresta.

Provérbios 22:7

sábado, 29 de outubro de 2016



Deusdocéu, como eu adoro passar roupa (sqn), but, se não tem tu, vai tu mesmo!
Sempre que tenho que passar roupas, meu cérebro faz relação direta, da atividade, com uma música, que eu cantava errado:
 mas é você que “é malpassado” e que não vê... 


#fique por dentro:
O verbo passar, talvez represente, senão “o”, 
um dos que mais diferentes sentidos pode assumir.

Alguns (poucos) exemplos:
Passar roupa: alisar
Tudo passar: acabar
Fruta passar: estragar
Passar doença: transmitir
Passar os bens: transferir
Passar por cima: desrespeitar/atropelar
Passar o prêmio: entregar
Passar desta para melhor: morrer
Passar para trás: enganar
Passar no concurso: ser aprovado
Passar a bola: jogar
Passar café: coar
Passar a vez: ceder
Passar o tempo: decorrer
Passar em claro: não dormir
Passar de: exceder



“Todos nós temos máquinas do tempo, as que nos fazem voltar ao passado são as lembranças, e as que nos fazem seguir em frente são os sonhos.”


Pois quem é maior: o que está à mesa, ou o que serve? 
Não é o que está à mesa? Mas eu estou entre vocês como quem serve.

Lucas 22:27

quarta-feira, 26 de outubro de 2016


#força na peruca

“- Mãe, é Deus quem acende as estrelas no céu pra gente quando fica de noite?

Olhavam para o céu, sentadas lado a lado no balanço, quando a menina fez a pergunta. A mãe a olhou com um sorriso que parecia maior do que o próprio rosto. Do que o próprio corpo. Do que aquele jardim.

- É. Ele acende as estrelas no céu todas as noites para nos lembrar que cada um de nós, aqui na Terra, precisa acender a estrela que dorme no próprio coração. Ela só acende quando acorda. Cada pessoa que consegue acendê-la também vira um pontinho luminoso para quem olha lá de cima.

A menina ficou bastante atrapalhada com aquela novidade: ninguém nunca havia lhe contado que existia uma estrela dormindo no coração das pessoas. 
Já sabia que existiam algumas coisas com nomes esquisitos dentro dela, coisas que não podia ver nem tinha ideia de como eram. Mas, uma estrela?! 
Muito curiosa, silenciou um pouquinho para imaginar a tal estrela dorminhoca. Será que ela também dormia com edredom? Vai ver sentia frio, já que ainda estava apagada.

- E como é que a gente faz pra acordar essa estrela, mãe?

A mãe lhe deu um abraço demorado, daqueles que adorava dar, capazes de criar calor mesmo em noites frias como aquela. Depois, olhou bem dentro dos olhos intrigados da menina, pousados nela o tempo todo, ansiosos pela resposta.

- Ela acorda quando a gente ama.”


Mesmo não havendo garantias, são
tristes demais os amores que não conjugam eternidades.
Que sejam breves, mas que não tenham prazo de validade.


O coração é mais enganoso que qualquer outra coisa e sua doença é incurável. 
Quem é capaz de compreendê-lo? 

(Jeremias 17:9)

terça-feira, 25 de outubro de 2016


#dia do dentista

mais uma de amor


Que algumas pessoas não acreditem que o homem esteve mesmo na lua, dá até pra entender, mas tem gente que não acredita em amor, e isso é imperdoável. Podemos não acreditar no que nossos olhos vêem, mas não podemos desacreditar no que sentimos. Você já ficou com a boca seca diante de uma pessoa? Já teve receio de ela estar ouvindo as batidas do seu coração? Bem, isso tudo não é prova de amor, apenas de ansiedade. Amor é outra coisa.

Amor é quando você acha que a pessoa com quem você se relacionava era egoísta, possessiva e infantilóide e isso não reduz em nada a sua saudade, não impede que a coisa que você mais gostaria neste instante é de estar tocando os cabelos daquela egoísta, possessiva e infantilóide.

Amor é quando você não compreende direito algumas coisas, mesmo tendo o QI mais elevado da turma, mesmo dominando o pensamento de Sócrates, Plutão e Nietzche. Perguntas simples ficam sem resposta, como por exemplo: como é que eu, sendo tão boa gente, tão honesto e com um coração tão grande, não consigo fazê-la perceber que ela seria a pessoa mais feliz do mundo ao meu lado?

Amor é quando você passa dias sem ver quem você ama, depois passam-se meses, e aí você conhece outra pessoa e passam-se décadas, e você já nem lembra mais do passado, e um dia qualquer de um ano qualquer você se olha no espelho e pensa: como é que eu consegui enganar a mim mesmo durante todo esse tempo?

Amor é quando você sente que seria capaz de amarrar o cadarço de um tênis com uma única mão ou de fazer a chuva parar só com a força do pensamento caso a pessoa que você ama lhe mandasse um sim deste tamanho.

Amor é quando você sabe tintim por tintim as razões que impedem o seu relacionamento de dar certo, é quando você tem certeza de que seriam muito infelizes juntos, é quando você não tem a menor esperança de um milagre acontecer, e essa sensatez toda não impede de fazê-lo chorar escondido quando ouve uma música careta que lembra os seus 14 anos, quando você acreditava em milagres.

Tudo isso pode parecer uma grande dor, mas é uma grande dádiva, porque a existência do amor está toda hora sendo lembrada. Dor é quando a gente está numa relação tão fácil, tão automática, tão prática e funcional que a gente até esquece que também é amor.



Confie no Senhor de todo o seu coração e não se apoie em seu próprio entendimento; reconheça o Senhor em todos os seus caminhos, e ele endireitará as suas veredas.

Provérbios 3:5-6

quinta-feira, 20 de outubro de 2016


“serei o que sobrar de mim”


#haja caixas...


“Quando eu vejo que eu estou me levando excessivamente a sério, o palhaço que tenho dentro de mim dá uma cambalhota.”

__Ariano Suassuna

Para desentristecer, leãozinho
O meu coração tão só
Basta eu encontrar você no caminho

[ O leãozinho – Caetano Veloso ]

Serei o que você quiser, mas só quando eu quiser.


“Manda aos ricos deste mundo que não sejam altivos, nem ponham a esperança na incerteza das riquezas, mas em Deus, que abundantemente nos dá todas as coisas para delas gozarmos...” 

1 Timóteo 6.17

quarta-feira, 19 de outubro de 2016


“Sempre fui pessoa de poucos sonhos,
acordados ou dormidos.
Sempre me satisfiz com o meu pedaço de pão
e jamais cobicei a galinha gorda dos outros.”


Você disse: - Some!
- Eu somei.
Eu disse: - Some!
- Você sumiu...

__Marcos Caiado


“Uma coisa que eu aprendi na vida: Deus não te tira as coisas, Ele te livra delas.”


Isaias 10:1-2 diz: 
“Ai daqueles que fazem leis injustas, que escrevem decretos opressores, para privar os pobres dos seus direitos e da justiça os oprimidos do meu povo, fazendo das viúvas sua presa e roubando dos órfãos.”

terça-feira, 18 de outubro de 2016


#dia do médico

segunda-feira, 17 de outubro de 2016


#horário de verão

Tenho 27 anos bem vividos, nunca quebrei nenhum osso do corpo, e até algum tempo atrás, só tinha tirado sangue para exames de rotina. Legumes e verduras? Grandes amigos.
Apesar disso e de tantas outras coisas que fiz em busca de tentar ser o que hoje chamamos de saudável, há exatamente 365 dias fui diagnosticada com câncer de mama.

Publiquei a versão 1.0 desse texto, que agora estou redigindo e atualizando, e diante de todo alcance que teve, tenho duas ou três vidas pelas quais sei que sou responsável por terem conseguido um diagnóstico precoce e por estarem nesse momento no caminho da cura, como eu. Sem contar com as dezenas de mulheres com as quais troquei mensagem de apoio, que me mandaram desabafos sinceros que não confessavam aos seus próprios maridos ou simplesmente palavras de amor, que ilustraram meus posts com suas carecas reluzentes e encontraram em mim, alguma forma de motivação e esperança. Isso já foi suficiente para acalmar meu coração e me provar o propósito de certas coisas nas nossas vidas.

Hoje, um ano se passou desde que recebi a ligação que iria mudar minha vida para sempre. 

Olhando para trás, tento entender como passei por 12 injeções de hormônios para estimular ovulação, 11 sessões de quimioterapia, 165 comprimidos de tamoxifeno, 4 injeções de zoladex, 4 contrastes para ressonância, mais de 30 agulhadas para tirar sangue, 3 cirurgias, 3 anestesias gerais e 1 sedação, incontáveis horas em diversos médicos e salas de espera, entre tantas outras coisas que nunca antes tinham feito parte da minha vida.
Não satisfeita com a lista acima, também pude experimentar cortar os cabelos curtos, raspar a cabeça, ser careca durante 6 meses, perder a sensibilidade dos seios, engordar 10 kg e lidar com os calores repentinos e intensos da menopausa (que me acompanharão durante os próximos 5 anos).

Quando temos 20 e poucos anos achamos que somos invencíveis e que abusar do nosso corpo significa viver intensamente. Hoje posso afirmar com toda certeza do mundo que estamos errados.

Viver intensamente nada tem a ver com submeter seu corpo e sua saúde a riscos desnecessários. Viver intensamente é sobre amor, viagens, amigos, gargalhadas e banho de mar. O resto, é nossa negligência disfarçada de intensidade.

Um ano se passou e meu recado para todos vocês, meus queridos amigos no auge de suas juventudes é o mesmo: vocês não são invencíveis.
Portanto, repito: se cuide. Faça seus exames periodicamente, independente da idade que você tenha. Não adie contando com o fato de que não irá acontecer com você. 

Eu entrei nessa luta pra vencer, mas se eu tivesse deixado pra depois, talvez ela já se encontraria perdida. Se cuide. Todo cuidado é pouco quando a nossa vida está em jogo e ninguém é novo demais para nada. 

Hoje é meu dia de sair do escritório, fazer o treino de funcional, me alimentar de forma balanceada e não esquecer o remédio das 20h00. 

Espero que seja seu dia de passar a mão no telefone e marcar a consulta com aquele médico que você vem adiando.

Faça isso, por mim, por você e pela vida. 

(Carolina Sanovicz, em 21/07/2016)

1º texto publicado: aqui

Estamos em pleno Outubro Rosa, o mês em que a sociedade se mobiliza para conscientizar as mulheres sobre a importância de se prevenir contra o câncer de mama. Eu faço minha mamografia, anualmente, e quem ainda não fez, tendo casos de câncer de mama no histórico familiar, estando acima dos 40 anos ou na menopausa*, deve se mexer.

*Durante a menopausa, o corpo de uma mulher produz quantidades muito menores de estrogênio e progesterona. Baixos níveis de estrogênio podem causar ondas de calor, perda óssea, secura vaginal e alterações de humor.
Para ajudar a amenizar estes efeitos colaterais, os médicos costumam prescrever hormônios, porém, estudos, recentes, mostraram que, uma vez que se acrescenta estrogênio (e progestina para mulheres que têm útero) de volta ao seu corpo, pode aumentar o risco para câncer de mama.

Este risco diminui ao longo do tempo, assim que a mulher parar de tomar os hormônios.


Porém o SENHOR disse a Samuel: Não atentes para a sua aparência, nem para a grandeza da sua estatura, porque o tenho rejeitado; porque o SENHOR não vê como vê o homem, pois o homem vê o que está diante dos olhos, porém o SENHOR olha para o coração. 

1 Samuel 16:7

sábado, 15 de outubro de 2016



#dia do professor
Parabéns, pela nobre missão de ensinar!


“Ninguém é médico, advogado, dentista, doutor, 
sem antes passar pelo carinho, pela atenção, 
pelo amor de um professor.”


O mestre é um caminho para seu aprendiz chegar à sabedoria.
O aluno tem de superar o professor.
O verdadeiro mestre se orgulha de ter sido um degrau na vida do aprendiz que venceu na vida.
Ensinar é um gesto de generosidade, humanidade e humildade.
É oferecer alimento saboroso, nutritivo e digerível àqueles que querem saber mais, porque ensinar é um gesto de amor!
___Içami Tiba


Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina
Cora Coralina
video

Salmos 121:7-8

quinta-feira, 13 de outubro de 2016


Vendo: flexão dos verbos ver, vendar e vender.


“Parece-me fácil viver sem ódio.
Sem amor, acho impossível.”

__Jorge Luis Borges


“Todos sabemos que cada dia que nasce é o primeiro para uns e será o último para outros e que, para a maioria, é só um dia mais.”


Gálatas 6:2 nos diz: 
“Levem os fardos pesados uns dos outros e, assim, cumpram a lei de Cristo.”

quarta-feira, 12 de outubro de 2016


Para você, que nunca esqueceu como é ver o lado doce da vida…

Feliz dia das crianças!


Que a gente siga cultivando um pouco da pureza, inocência e confiança que a gente tinha aos 8 anos, coisas que acabam se perdendo com a brutalidade do cotidiano. 
Se eu não sinto saudade da infância, é porque essa inocência de certa forma ainda preservo, porque sem ela ficamos muito ásperos em relação a tudo. 
Então, sigamos inocentes, mas sem deixar de curtir a magnitude de ser gente grande.

caça


Por que é importante ler? Pergunta recorrente em qualquer encontro de escritores com estudantes. E a gente acaba desfiando um rosário de respostas prontas, um blá blá blá repetitivo, apesar de necessário. Mas hoje vou dar um exemplo prático. Estava lendo uma revista - nem era um livro - quando me deparei com uma entrevista feita com o chef Philippe Legendre, estrela da gastronomia francesa de quem nunca provei um ovo frito. Ignorante sobre quem era o cara, li. Lá pelas tantas, o repórter: "É verdade que o senhor adora caçar?" O chef: "Eu caço o silêncio. Atiro no barulho."

Bum!

Perdizes, faisões, coelhos, sei lá o quê o tal homem caça todo final de semana - e nem me interessa. O importante foi o impacto causado por aquelas duas frasezinhas curtas que pareciam um poema e que empurraram meu pensamento para além daquelas páginas, me puseram a pensar sobre minhas próprias perseguições. Caço o silêncio. Atiro no barulho. Eu idem, monsieur.

Eu caço o sossego. Atiro na tevê.

Eu caço afeto. Atiro em gente rude.

Eu caço liberdade. Atiro na patrulha.

Eu caço amigos. Atiro em fantasmas.

Eu caço o amanhã. Atiro no ontem.

Eu caço prazeres. Atiro no tédio.

Eu caço o sono. Atiro no sol.

E quando caço o sol, atiro em relógios. Acho que é isto que a leitura faz. Nos solta na floresta com uma arma na mão. Nos dá munição para atirar em tudo o que nos distrai de nós mesmos, no que nos desconcentra. O livro não permite que fiquemos sem nos escutar. A leitura faz eu mirar em mim e acertar no que eu nem sabia que também sentia e pensava. E, por outro lado, me ajuda a matar tudo o que pode haver em mim de limitante: preconceitos, idéias fixas, hipocrisias, solenidades, dores cultuadas.

Lendo, eu caço a mim e atiro em mim.


#12 de outubro, dia Nacional da Leitura.

A leitura é fundamental para nosso processo de aprendizado e desenvolvimento profissional.
Quando lemos, escrevemos melhor, adquirimos um vocabulário mais amplo, temos mais facilidade na compreensão de textos, livros e maior capacidade de argumentação.
Tudo é questão de hábito!

Meu pai morreu. Muitas e muitas vezes.
De tiro, de frio, enforcado, queimado, crucificado
Matou uma velhinha para roubar joias
Assaltou bancos, invadiu casas
Foi traficante, viciado em drogas e em jogos
Meu pai foi prostituta e menor infrator
Foi preso na África, na Rússia, em Cuba, na França, no Uruguai
Foi torturado no Brasil
Meu pai fundou partidos, fez revoluções, combateu moinhos
foi humilhado, injustiçado e condenado
Foi vendido como escravo, passou fome
Escreveu livros, pintou quadros, pichou muros
Foi bailarina, padre, freira, remador, montanhista, vagabundo
Apaixonou-se, foi traído e traiu, fez aborto
Meu pai foi perseguido por ser homossexual
Morou em prédios de luxo, assentamentos, favela e calçadas
Lutou em guerras, foi cirurgião, político, operário e agricultor
Apanhou da polícia, do padrasto, resolveu crimes
Salvou vidas, foi professor, sofreu como cão e como gente
Teve medo, alegrias, inveja, ciúme, ódio, remorso, mágoa e esperança
Sentiu e sofreu todo tipo de preconceitos
Foi negro, branco, índio, mulher
Cristão, judeu, muçulmano, budista, ateu
Meu pai viveu muitas vidas, em muitas peles
Acredita que quanto mais certezas temos, menos sabemos
E que não se deve julgar uma pessoa
se não se é capaz de compreendê-la
Meu pai lê livros